... e deixaram-na entregue aos lavradores da primeira aldeia que toparam. A aldeia demorava às abas do Monte Córdova, serra que se empina e ondeia com as fragosissimas encostas até à vila de Santo Tirso.
In A Bruxa de Monte Córdova, pp 178-Camilo Castelo Branco

18 de julho de 2017

Feijão verde...

... e amarelo.
A colheita de grande parte das nossas hortícolas, no verão passado, foi fraca e em alguns casos má. Entre outras, o exemplo que podemos dar é o feijão verde, em vagem.
Desde sempre cultivamos o feijão riscadinho, um feijão regional com produções regulares, mas o ano passado foi mesmo muito fraca a produção. Ainda para mais, o que se guardou para semente deu-lhe o gorgulho... um desastre.
Face a essas contrariedades e na busca de feijão para semente, encontramos numa determinada superficie comercial embalagens de feijão amarelo e feijão verde, ambos com as mesmas características e sem fio. Achamos que era tempo de mudar e de experimentar.
Assim fizemos.
A decisão foi acertada pois está a produzir bem, com boas colheitas diárias.


De todas as formas culinárias é muito gostoso, não ficando a dever nada ao feijão regional, apenas tem o senão de as vagens serem um pouco mais curtas, mas tem a enorme vantagem de não ser preciso tirar o fio.  

18 de maio de 2017

Cebola espigada...

... vira cebola boa para consumo.
Com a chegada do inverno grande parte da nossa cebola armazenada espigou ficando estragada para o consumo e o destino a dar-lhe, obviamente, seria a compostagem.
O nosso vizinho Silva, num certo dia passou por cá para ajudar a arranjar as bancas da ramada e apercebeu-se daquele monte de cebola na compostagem. Pediu para levar umas quantas delas dizendo que cebola espigada vira cebola boa.
 Decorrido este tempo, ontem bateu ao portão trazendo um balde com cebolas para mostrar que as afirmações dele eram verdadeiras. Acrescentou que não precisou de comprar cebolo de dias curtos de semente. Aqui estão na foto.
Bem, nada disto é novo e nada que nós não soubéssemos. Com efeito metendo à terra as cebolas espigadas vão dar lugar a novas cebolas. Apenas tem o senão de desenvolverem dois ou mais bolbos agarrados, deformando-os, ficando com aspecto menos agradável, e com reduzido interesse comercial.
A intenção deste post vai no sentido de alertar todas aquelas pessoas que têm uma horta caseira que a cebola depois de espigada pode substituír a compra de cebolo de semente. 

21 de fevereiro de 2017

Morangos.Estrumar a terra com ...guano

No ano passado, utilizamos pela primeira vez guano para fertilizar a terra dos nossos morangueiros. Este ano voltamos a utilizar guano porque entendemos que valeu a pena, na medida em que a produção foi boa.
Ao longo dos anos tratamos os nossos morangueiros exclusivamente com compostagem caseira e não temos razões de queixa. Simplesmente a produção foi ainda superior com este adubo orgânico, sendo esta a razão da nossa preferência.
Somente daqui a duas semanas ou eventualmente uns dias mais, é que plantaremos os pés de morangueiros. Este compasso de espera justifica-se para que o guano misturado com a terra envelheça um pouco, a fim de evitar queimar as raízes, no caso de ainda não estar curtido.

18 de dezembro de 2016

Natal

  Feliz Natal a todos os amigos e visitantes  do blog.
                          Presépio -  Magnífico trabalho em barro do artesão Delfim Manuel        

                                                       Mais uma vez, cá vimos  
                                                       Festejar o teu novo nascimento,
                                                       Nós, que, parece, nos desiludimos
                                                       Do teu advento!
                             
                                           Excerto do poema Natal, de José Régio ( in: Obra Completa)

28 de julho de 2016

Arejo no tomate

Há quem chame "arejo" ao míldio no tomate, como é o caso do nosso vizinho Silva que nos apareceu cá ao portão, muito triste, mostrando-nos alguns tomates num balde. Neste caso é diferente mas para ele foi "arejo" na mesma

- Tanto trabalho para isto, - disse ele. - Não, não vale a pena insistir no biológico, se não se utilizar os químicos as coisas não dão nada - desabafou por fim.

Afinal, nós que somos seguidores da AB também temos algum desalento e queixa de em  algumas culturas ter corrido mal, com poucos resultados e grande prejuízo, como foi o caso da batata, por culpa direta do míldio e  das condições meteorológicas em Maio, mas... há anos assim. Mas não é só. Temos problemas de crescimento nas abóboras,  nas melancias e no feijão verde devido ao muito calor cá por estas bandas com temperaturas acima dos 30º.

 É uma questão de opção seguir  AB ou utilizar químicos... e nós ainda acreditamos na primeira opção

16 de junho de 2016

3 de maio de 2016

Ervilhas de quebrar

É tempo de colher este excelente legume.
A ervilha de quebrar tem utilização culinária em inúmeras receitas.
Cá em casa utilizamos de várias maneiras, mas... não as dispensamos com arroz e nas sopas. É também um legume que congelamos para mais tarde e fora de época utilizar nos cozinhados.

17 de abril de 2016

Piolho negro da faveira

Chuva, chuva e mais chuva...finalmente o tempo melhorou, cá para estas bandas,  e temos uma tarde de sol.
O tempo ajudou a que o piolho se instalasse no faval e agora só nos resta "correr atrás do prejuízo" , como diz o povo. Já que não foi possível utilizar nenhum preventivo devido à chuva, vamos tentar minimizar os previsíveis estragos, ou seja, com uma solução de água, sabão azul e detergente para imobilizar e eliminar o piolho porque a desponta de pouco adiantará.


Preparamos do seguinte modo: - 50 g de sabão azul em 5 litros de água quente, deixar esfriar, adicionar 1/2l de detergente vulgar da loiça e deixar pousar a solução ( 1 a 2 horas) e por fim  pulverizar sobre a planta. E... acreditar que resultará.

20 de março de 2016

7 de janeiro de 2016

Abóbora Chila

 Ainda vamos a tempo de fazer o doce de Chila.
Costuma dizer-se que é o último doce caseiro do ano mas que, no nosso caso, vai ser o primeiro.
O processo para o fazer é o mesmo que vem do tempo das nossas avós e que toda a gente sabe e faz

22 de dezembro de 2015

É Natal


A todos os amigos e visitantes do Horta de Codeçais endereço votos de boas-festas de Natal e um novo ano com tudo de bom.

19 de novembro de 2015

Araçá amarelo

Araçá amarelo, pelo terceiro ano consecutivo muito produtivo, ao contrário do vermelho, que também temos e que apesar de estar bem mais desenvolvido poucos frutos nos tem dado.
Não damos muita utilização aos seus frutos ( exceção para sumo e comer alguns ao natural), mas gostamos de ver e ter estas espécies porque têm folhagem permanente e é dos poucos arbustos frutíferos nesta altura do ano.

13 de novembro de 2015

Esterco de cabra

Ter estrume em quantidade suficiente para a necessidade das nossas culturas é uma constante preocupação na medida em que mantemos a prática de evitar os quimicos. Temos vindo a utilizar estrumes de cavalo, de bovinos, de galinácios e até a compostagem caseira mas pela primeira vez iremos utilizar o esterco de cabra.

Há alguns dias atrás, o vizinho e amigo sr José Ferreira bateu-nos ao portão trazendo uma boa carga de estrume das suas cabras ( que Deus conserve os bons vizinhos ) e com a sua experiência nos avisou e ensinou a utilizar este estrume: - deixar curtir 2 ou 3 meses e estender em manta pelo terreno.

Mesmo a tempo de o utilizar para a sementeira da batata que, segundo ele, é o melhor estrume. 

6 de outubro de 2015

Dióspireiro

... coroa-de-rei partido devido ao peso dos frutos e à forte ventania, desta manhã, cá por estas bandas. De tarde, com alguma melhoria no tempo e alguns raios de sol deu para avaliar as consequências da chuva e do vento.
Temos árvores tombadas e ainda outras com estragos mais ou menos significativos mas o dióspireiro deixa mais pena pela grande quantidade de frutos que tinha e que não se aproveitam por estarem longe da maturação.

23 de setembro de 2015

Uvas...

São servidos?
agradável perfume a morango que estas uvas exalam... 
Pelo cheirinho  estão identificadas.
Uva de vinho de cor escura e sabor frutado  lembra o aroma de morango.


É uva "americana"( veja-se nosso post de 18 novembro de 2010) a tal que fazia e ainda vai fazendo fartura nos pipos do pequeno lavrador nas terras do vinho verde. 
Ano abundante em quantidade e doçura comparável com 2010.